Igor Coelho

igor_coelho

Mesmo antes de pensar em ingressar no universo da tatuagem, Igor Coelho teve influências do seu primo, o tatuador Luiz Segatto, que sempre conviveu com os experientes Sérgio Maciel, o Leds, Tino e Marco Leoni.

Com o sonho de ser quadrinista, frequentou estúdios desde jovem. Quando fez desenhos de tatuagem em corpos de modelos para uma publicação, percebeu que aquele poderia ser o caminho a seguir.

Aos 15 anos, comprou sua primeira máquina de tatuagem, uma Micky Sharpz 1984, considerada uma raridade preciosa. Em 1993, aprendeu a soldar agulhas com o Leds, que foi o seu primeiro fornecedor de tinta

CONTINUE LENDO

Bem-humorado, Igor gosta de trabalhos variados, mas tem preferência pelos estilos oldschool e sombreado.

Mesmo sendo descolado, o tatuador respeita, mas se recusa a fazer tatuagens no rosto das pessoas.

Sobre o bom astral, ele explica que a tatuagem é uma troca de energias e uma marca dele que o cliente vai levar para a vida toda. “É importante que a pessoa leve com aquele desenho as risadas e os bons momentos que viveu durante o desenvolvimento da tattoo. O cliente é minha tela viva”.

Generoso, Igor aponta que a tatuagem pode ajudar as pessoas a esconderem lembranças e marcas que não as agradem.

Além disso, o tatuador é grato pelo reconhecimento que a clientela demonstra em encontros casuais, seja no shopping ou em uma viagem. Para ele, se o cliente deixar o profissional criar, ele terá algo exclusivo e isso carrega um valor imensurável.

-